A moda tem história

O New Look proposto por Dior, anos 50

A releitura do New Look feita por Galliano, 2009

Um dos maiores pensadores de moda da atualidade, o filósofo francês Gilles Lipovetsky, afirmou em seu livro O Império do Efêmero, publicado em 1987, que este campo do conhecimento não causava furor no meio acadêmico. Hoje em dia a situação não é mais a mesma: é inegável a proliferação de cursos superiores de Design de Moda – no Brasil, são 96 registrados pelo MEC. Mesmo com tal mudança em andamento, é possível perceber, ainda, que a falta de aprofundamento nos estudos dessa área contribui para corroborar seu clichê de futilidade. O caminho mais fácil para mudarmos essa situação passa pela descoberta das origens daquilo que hoje é moda. Se para nos conhecermos melhor precisamos entender nossa história, com a moda acontece algo parecido.

Um bom exemplo para desvendar os significados sociais da moda é voltarmo-nos para os desfiles contemporâneos, em que os mais diversos estilistas fazem releituras de várias épocas. Olhando para o passado, veremos que não é difícil, por suas características mais marcantes em relação à indumentária, definir cada década, ao que podemos chamar de estilo de um determinado período: os anos 50 são conhecidos pela extrema feminilidade das heroínas donas-de-casa, bem trajadas com vestidos rodados marcando a “cinturinha de vespa”.   

O estilista John Galliano, em 2009, fez um desfile para a Maison Dior inspirado no estilo New Look, e nisso há um claro significado. Sua intenção aponta para uma história interligando passado e presente, cuja comprovação se dá ao lembrarmos que nos anos 50 foi o próprio Christian Dior quem consagrou esse estilo – o New Look – quando lançou logo após a Segunda Guerra uma coleção que propunha às mulheres a volta a uma silhueta feminina, elegante e exuberante – para um vestido gastava-se em média de seis a nove metros de tecido. O fato destoante nesse contexto é que a Europa ainda estava devastada pela Guerra e muitos produtos, como os próprios tecidos, eram racionados.

Voltar nosso olhar para o estilo New Look descontextualizando-o de seu momento cultural de acontecimento faz dele apenas uma expressão em outra língua e vazia de significado. As palavras soltas, se desprovidas de significado, são apenas tinta sobre papel em branco, enfileiradas lado a lado, sem contar novidade alguma.

A moda é, pois, em sua essência, produto do seu tempo. Vive de servir e envolver homens e mulheres há séculos em um infinito processo de construção e desconstrução: separar de suas raízes passadas o atual momento em que vivemos é negar um processo de construção socio-histórico. E a roupa, inserida nesse contexto, é também significativo elemento indicador da história. Por isso, nesse vai-e-vem temporal, estejamos atentos: o estilo descartado de hoje pode ser o ícone máximo de amanhã.  

Artigo publicado no Jornal Notisul, em 10.03.10

 Maíra Zimmermann

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Como? Ideias de moda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s